terça-feira, 23 de fevereiro de 2010

Artigo: NAS MÃOS DE DEUS E NAS NOSSAS MÃOS


Ando inquieto e intrigado com as recorrentes falas transferindo para Deus as responsabilidades e os rumos deste município, desta cidade. Mesmo correndo o risco de no final do texto o leitor dizer: “Esse é um herege!” ou “Esse é um exegeta!”, tomei a liberdade de me contrapor a esse desejo. Pelo menos no sentido que as falas transparecem, que para mim soam como: “Deixe que Deus faça!”, “Deixe que Deus se vire e cuide!”, “Não posso fazer nada, que Deus cuide!” e até “Toma Deus para ti a cidade e toma de conta!”, entre outras interpretações possíveis.
Longe da negação da entrega a Deus dos nossos rumos e vidas, que é algo valioso para pessoas crentes (no sentido de “quem crê em Deus”), discordo que, com as acepções acima elencadas, se deva colocar nas mãos de Deus os rumos da cidade. Esse desejo tem qualquer de coisa relacionada com eximir-se dos nossos papéis, de esquivar-se das nossas responsabilidades, de deixar que as coisas aconteçam à nossa revelia e por intervenção divina. Não consigo visualizar que as situações boas e ruins existentes na cidade ocasionadas por nossas ações e por força de nossos interesses devam ser administradas por Deus, quando foi nós que a instalamos. Salvo as fatalidades naturais, penso que o restante seja por interveniências humanas bem tocáveis e visíveis aos nossos olhos e que somos nós que temos que administrá-las.
Por essa razão, não corroboro os dizeres que querem deixar nas mãos de Deus os rumos da cidade, por que não creio em práticas que eufemizam os problemas concretos sob a transferência das situações conflitantes para dimensões espirituais. Acredito sim em práticas que assumem com as mãos os problemas concretos e conduzem sua resolução de forma igualmente concreta. Colocar as dificuldades governamentais, sociais, políticas e humanas nas mãos de Deus nos minimiza do papel de pessoas concretas, responsáveis com os rumos de nossa cidade. Não creio que isso maximiza a presença de Deus na busca de soluções, pelo contrário, encobre nosso dever e nos ameniza as culpas, daquilo que devíamos dar conta, nos levando, muitas vezes, a usar o nome de Deus em vão.
Assim, sugiro que nós nos alimentemos cotidianamente da força de Deus presente na história e de sua ação amorosa e protetora – digo isso para quem professa uma fé – e assumamos nossa obrigação em fazer de Icapuí uma cidade melhor, colocando os rumos dela em nossas mãos, assumindo as conseqüências de nossos atos, buscando intervir pessoal e coletivamente nos rumos que o município toma. Penso que esse é o caminho. Mas outros podem discordar. Fiquem à vontade. O debate e a capacidade de dialogar, acredito, é sim uma dádiva divina.

10 comentários:

João Filho disse...

Adolfo, em relação a moto encontrada, o dono ja me procurou e disse que escreveria um texto de todo o desenrolar da história para que pudessemos pulblicar aqui, to esperando.

Daniel Freitas disse...

Deus nos deu a qualidade de sermos seres pensantes e agéis, o que nos resta é usamor essas virtudes no intuito de melhorar a nossa vida como sociedade que somos. Dizer que isso ocorreu ou não por força divida é apenas a falácea do preguiçoso que não consegue fazer por se mesmo suas próprias ações.

amém.

Daniel Freitas, voltando de uma época de festas...

Pedro disse...

Pois bem meus amigos. Se chamar por Deus ou citá-lo como “responsável” pelas coisas que acontecem na cidade, é ato de um preguiçoso, como queiram chamar, imagino eu, se com todas as falácias não se pronunciassem o nome de Deus nessa cidade. O fato é que o município segue ao léu, sem se contar se quer com o prefeito na cidade, pra se resolver os problemas. Os jovens do município que conseguem se formar, têm que ir á outros municípios circunvizinhos a procura de trabalho. Cadê o Concurso da Prefeitura, que ia sair antes das aulas começarem este ano? O fato é que tudo é de Deus. E se não fosse Deus, como estaria esse município? Com certeza nós somos responsáveis Pois segundo o prefeito “ICAPUÍ É DO SENHOR JESUS”, ou não é? Queira Deus que o mesmo não faça como José Serra em São Paulo...

Nossa Icapuí disse...

Todos lutamos nossas lutas contando com as armas que temos. Quando nossas lutas são travadas num campo de batalha desconhecido e nossos inimigos dispõem a seu favor de forças extraordinariamente superiores as nossas, torna-se impossível garantir nossa vitória.


Porquê


Se o Senhor, o DEUS TODO PODERROSO não guardar a cidade em vão vigia a sentinela …


O versículo acima não ignora o trabalho da sentinela face às forças visivelmente superiores, ao contrario o texto reafirma o valor desse trabalho quando por traz dele estão os olhos de Deus. Da mesma forma que, se os olhos de Deus não forem convidados para estar na guarda da cidade, de nada vale o trabalho da sentinela (DOS GOVERNANTES, DE QUEM QUER QUE SEJA).


Se o Senhor guarda a CIDADE DE ICAPUÍ, então faz todo sentido manter a sentinela a postos. Seria tentar contra o Senhor, deixar a porta da CIDADE DE ICAPUÍ aberta, seguros de que quem a guarda é o Senhor. Isso não é prova de fé e sim de negligência.

"Deus só faz se nós nos propormos a fazer"

Rabelo, C.D. disse...

Os comentários incorporam e sustentam a reflexão proposta, e isso é muito bom!De fato, a história está em nossas mãos, e esse é o sentido! Seria mesmo impossível não contar com os cuidados de Deus, é igualmente imprescindível sermos instrumentos e pessoas compromissadas como nosso município!

Klaud´mar disse...

Quem é Deus?

Algumas pessoas tem a imagem de Deus como um senhor de barbas brancas sentado num trono acima das nuvens e que está lá para nos servir apenas em troca de nossa alma.

Para os que tem essa visão, Deus é causa e solução de todos os problemas do mundo. Sendo assim, Deus seria uma jogador ou um brincalhão, que sem ter nada melhor pra fazer, manipula cada uma das 6 bilhões e tantas vidas humanas, além das infinitas formas vivas existentes na terra e no universo.

A Deus, sempre é atribuído os desastres ambientais, as guerras, a fome, a pobreza, mas também é mérito seu as glórias, conquistas e tudo que se enquadra como bom. É um Deus que tira e dar.

PErcebo que essa humanização do Deus contribui para que as sociedades modernas que são incapazes de resolver seus próprios problemas, joguem a culpa em alguem: Deus. Ah! foi Deus quem quis assim!

Deus, em minha opinião, é uma força interior, que nos move e nos transforma em seres evolutivos. É a sabedoria que nos torna seres únicos.

Respeitanto os Deuses de cada um, penso que a humanidade de tanto esperar q Deus resolva as coisas por nós, é que essa mesma humanidade está condenada a viver no eterno caos gerado pela inércia
dos que esperam sentados por uma intervençao divina.

Abraços a todos!

Pedro disse...

Com Certeza caro Klaudimar. O fato é que Deus, é o Deus do Impossivel. Logo, o possivel a gente tem que mecher as pernas pra conseguir, não concorda?

Klaud´mar disse...

Justamente Pedro,

Como já foi dito em outros comentários acima, não devemos esperar que Deus resolva tudo sozinho. Eles nos dar a força e a inteligência para criarmos um mundo melhor para todos!

Continuem o debate!

Rabelo, C.D. disse...

Muito bem garotos!! Como diz o poeta: "Vamos lá fazer o que será!"

carlos rostom disse...

como é q não vai se atribuir a Deus;q o diabo queira ou não icapui é de Jesus.E ele é quem governa por nós e por nosso abençoado e amado prefeito.