terça-feira, 11 de maio de 2010

Artigo: “AI MEU DEUS SE ACABA TUDO, TANTO BEM QUE EU TE QUERIA.” (2)


Tive hoje o desprazer de visitar a Biblioteca Pública Municipal de Icapuí, que se não me engano leva o nome de “Dr. Orlando Rebouças”. Não pelo fato de ir à biblioteca, claro, mas pela situação em que “jaz” este bem público. Para além das já comentadas promessas e os prometidos esforços pela instalação de uma biblioteca pública em Icapuí - coisa que soa esquisito num município que, mesmo com claras necessidades de reformas no acervo, sempre teve uma biblioteca, desde o antigo OME (órgão municipal de educação) – sofro ao ver a ausência total de espaço e condições de pesquisa, estudo, leitura, entretenimento para a população.
Muito me estranha que, depois de quase um ano de desativação da biblioteca de Icapuí, essa condição não seja percebida pelos usuários, testemunha que fui de situações de reivindicações e movimentos, em muitas ocasiões, muitas vezes por questões bem menores como a ausência do jornal “Diário do Nordeste” ou outro similar, sempre mobilizadas por pessoas que do espaço faziam uso em outros tempos. Parafraseando o poeta, “o seu silêncio me atordoa e, atordoado, eu permaneço atento. Não consigo entender porque hoje as pessoas fazem uso do que chamo sempre de “um olhar que não quer ver” mediante tão explícitas constatações e não se manifestam exigindo, por exemplo, a reativação imediata deste bem público.
Onde estão as pessoas que lutavam pelo jornal diário para ler? Onde estão os usuários que reclamavam um livro mais velho meio usado? Onde foram parar aqueles que exigiam, por exemplo, um “almanaque abril” atualizado? Onde estão estudantes e pesquisadores que freqüentemente exigiam renovação no acervo científico e acadêmico? Não parece pior não ter nada disso mais?
Ainda que se projetem espaços e condições bem melhores por meio de recursos externos (estaduais ou federais) num futuro próximo, penso que nada substitui o que vinha sendo a biblioteca pública para adolescentes e jovens, que segundo registros anteriores, tinham uma freqüência permanente animadora no espaço, além de suprirem suas necessidades de pesquisa e aprendizagem.
Até se configurarem os projetos e as obras que, na torcida, trarão condições superiormente melhores à velha biblioteca antes existente, o mais saudável seria mesmo que esta, ainda que com deficiências, pudesse ter-se mantido funcionando e atraindo seus usuários.

5 comentários:

francisco celestino cavalcante disse...

Parabens Clotenir pelo seu texto muito oportuno, so espero que alguns "cientistas politicos" de plantão não diga que vc ta fazendo politicagem!!! vc sabe quem são vc proprio colocou no texto ""aqueles que tem um olhar que não quer ver, ou acham melhor não ver.

Adolfo Maia disse...

Clotenir, acho que o google em icapui começa a substituir a biblioteca! Outro ponto é que como o grande numero de jovens está substituindo os livros por pedras de crack.

Belo futuro icapui está caminhando, uma sociedade sem educação, já que estamos totalemente desnorteados por nao tem nenhum prumo que se perceba que tá indo. Educação na cidade parece uma barata tonta depois que coloca-se baygon!

Parabens pelo texto, sempre fico com saudades de ler seus belos e excelentes textos!

Marcos Nunes disse...

Isso não é questão de disputa política, é incompreenssão de gestão de educação. Sempre levo esse tema para a tribuna, inclusive em sessão passada foi aprovado um projeto de indicação de minha autoria que sugere que pelo menos 10% do Fundo Municpal de Cultura seja para aquisição de novos livros. E...

vilda disse...

Clotenir sempre com belos textos! Bom...de fato os livros foram substituidos pelo Google mesmo. A Internet oferece inúmeras possibilidades de pesquisa para professores e alunos e uma alternativa para quem mora afastado de uma biblioteca. Algumas escolas tem salas de informatica, daí fica dificil encontramos com "aqueles que exigiam um “almanaque abril” atualizado..." mesmo tendo o arcevo defasado. Muitas pessoas tem intenet em casa, quem não tem intenet em casa não vai a biblioteca, vai a uma lan ou utiliza a intenet do colégio, do amigo. E para completar tudo isso o Google vai começar a vender livros digitais no final de junho ou início de julho deste ano. A modernidade as vezes me assusta! Ao invés de virar páginas feitas de folha de papel, iremos clicar em barras de rolagem.
Leitura é fundamental, em qualquer que seja o meio usado pra isso, mas acho que nada substitui o livro de papel.
Acho que as escolas tem que resgatar as visitas dos alunos a biblioteca municipal mesmo com o acervo defasado a biblioteca ainda tem os bons livros de literatura. Tem que ter incentivo tbm!

Marquinhos disse...

Clotenir, sempre gosto dos seus textos, porque ele reflete a realidade do nosso municipio.
Sinto-me muita saudade dos bons tempo que eu ficava horas e horas pesquisando com meus amigos.
Até um bom tempo eu e meu filho frequentávamos a biblioteca ele gostava de ler os livros de fábulas, e eu gostava muito daquele momento que servia de lazer e apredizagem.