quinta-feira, 24 de junho de 2010

Vereador Lacerda Filho (PSDB) esclarece sobre problemas no abastecimento de água nos assentamentos do INCRA em Icapuí

Integrantes do Movimento dos Sem-Terra (MST) instalados nos assentamentos do INCRA provocaram na última terça-feira a interdição da CE-261 que dar acesso ao município de Icapuí e a entrada para a praia de Redonda, reivindicando solução para a falta de abastecimento de água naquela comunidade. Exigiram a presença do prefeito municipal e do diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto – SAAE de Icapuí, para juntos com a direção da empresa PETROBRAS encontrar uma solução definitiva para o impasse.

O vereador Lacerda Filho (PSDB) se mostrou surpreso com a manifestação dos assentados, por ser de competência do Governo Federal à assistência aos projetos de assentamentos efetivados pelo INCRA. Para o vereador, o MST é um movimento social que merece o devido respeito e reconhecimento de suas ações por contribuir para a geração de emprego e renda no meio rural através de atividades produtivas e incremento à agricultura familiar, mas considerou uma infelicidade por parte dos dirigentes daquele movimento o fechamento da CE-261, de competência estadual, ao invés do fechamento da BR-364 ou do acesso a empresa Petrobras que ficam próximos do local escolhido, estes sim, de competência federal. A sociedade icapuiense é solidária com a causa da comunidade e o governo municipal tem contribuído para amenizar o problema da falta de abastecimento de água, porém não deve ser posto como o culpado por não ser de competência municipal o abastecimento de água desses assentamentos, e sim do Governo Federal.

Mesmo sem ter a obrigatoriedade de garantir o abastecimento de água das comunidades assentadas pelo INCRA e MST, o governo municipal desde o primeiro mandato, movido pela sensibilidade social e preocupação com o bem estar da população, executou o projeto de abastecimento de água para todos os moradores deste assentamento federal, beneficiando as comunidades de Nova Belém (CVTP) até o assentamento São Francisco. Além disso, existem carros-pipas que auxiliam no abastecimento de água, na tentativa de suprir uma demanda de consumo considerada grande devido a sua utilização em pequenas áreas cultivadas, consumo por animais de criação, além do consumo individual de cada morador nas suas atividades diárias.

Entenda o caso

O poço, de onde é retirada a água que abastece aquela região, é de propriedade da empresa Petrobras. Desde o mês de fevereiro de 2009, o vereador Lacerda Filho (PSDB) participa ativamente das discussões com aquela comunidade e com dirigentes da empresa, para encontrarem soluções para o problema do abastecimento de água. Nas primeiras reuniões, que contou com a presença do prefeito municipal Irmão Edilson, dirigentes da Petrobras, Associação de Moradores do CVTP, Associação dos Moradores do INCRA, dirigentes do MST e técnicos do Movimento, ficou acertado que a Petrobras perfuraria um novo poço próximo ao existente dotando-o com uma nova bomba, devido a profundidade do poço e ao desgaste da bomba antiga e garantiria a execução do projeto de adução de água para as comunidades do Belém, Nova Belém, PA São Francisco e PA Redonda (INCRA), sendo que a prefeitura municipal de Icapuí apresentaria o Projeto Técnico da Adutora como contrapartida. Esse projeto foi entregue pela prefeitura aos representantes das comunidades interessadas no dia 03 de novembro de 2009, que repassaram para os diretores da empresa Petrobras, responsáveis pelo acordo firmado.

No aguardo do compromisso assumido pela empresa, a bomba antiga apresentou inúmeras falhas, e em mais uma série de reuniões o vereador Lacerda Filho e o Engenheiro Civil da prefeitura de Icapuí, sugeriram a mobilização das comunidades para juntos deslocarem-se até o escritório regional da Petrobras em Mossoró para reivindicar o acordo firmado entre a empresa e a prefeitura. Em 26 de maio de 2010, a bomba apresentou outro defeito e foi necessário o uso de guindaste da Petrobras para realizar a retirada, já que o poço mede 250 metros de profundidade e requer equipamento adequado para esse tipo de operação. A mesma foi levada pelo Secretário Municipal de Obras para realização de conserto em Mossoró e reinstalada três dias depois. No dia 15 de junho de 2010, a bomba deu defeito mais uma vez.

O desgaste natural da bomba é acelerado pelo uso durante 24 horas por dia, para suprir a demanda de consumo de água naquela área. De acordo com o secretário de obras, Chico Cirilo, em pronunciamento na rádio FM Educativa no dia 22 de junho, dia da manifestação dos assentados, a prefeitura de Icapuí comprou uma nova bomba que está vindo de São Paulo com previsão de instalação no dia 24 de junho de 2010.

Portanto, diante da dedicação do governo municipal, através da participação do vereador Lacerda Filho (PSDB) e do prefeito municipal nas reuniões solicitadas pelos moradores prejudicados, e na busca incessante por uma solução definitiva para o problema do abastecimento de água naquelas comunidades, o vereador ressalta que a sociedade icapuiense não tem culpa de um assentamento efetivado pelo INCRA, que é um órgão federal, não ter as condições mínimas necessárias de infra-estrutura asseguradas para seus assentados e por isso causa prejuízos de ordem coletiva para quem não tem nada a ver com o problema da falta de água nesses locais, se não a sensibilização pelo sofrimento que essas pessoas vêm passando.

A alternativa é instigar ainda mais o diálogo entre o poder executivo, a empresa Petrobras e as comunidades afetadas. O melhor caminho ainda é o diálogo.

Um comentário:

francisco celestino cavalcante disse...

De acordo com o exposto da ate para pensar que a população dos assentamentos não fazem parte do municipio de Icapuí, não voto no municipio, quando chegar a eleição ai vão pedrir votos nos assentamentos do governo federal. É uma piadd!