terça-feira, 28 de setembro de 2010

Pescadores da Praia de Peroba descobrem vantagens do G.P.S

Alunos do curso de Engenharia de Pesca da Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA, dentro do curso de extensão Operações Básicas em G.P.S, ministrado pelo professor Marcelo Augusto realizou uma atividade com pescadores da Praia de Peroba em Icapuí sobre a utilização de G.P.S. A proposta é que os pescadores se tornem multiplicadores das informações. Um manual sobre utilização do G.P.S adaptado a linguagem dos pescadores locais será preparado pelos alunos participantes do curso de extensão. Cerca de 20 pescadores participaram da capacitação. 

A iniciativa torna-se interessante em aproximar a teoria e a prática para os alunos e favorecer a aproximação social da universidade com a população. Abaixo a matéria completa, que extraímos do sítio da UFERSA. 




Pescadores da Praia de Peroba descobrem vantagens do G.P.S



Os pescadores da Praia de Peroba, no município de Icapuí, no Ceará, estão tendo a oportunidade de conhecer as vantagens do uso do G.P.S - Sistema de Posicionamento Global ou Geo-Posicionamento por Satélites. A novidade faz parte de um projeto de extensão desenvolvido pela Universidade Federal Rural do Semi-Árido, por meio do curso de Engenharia de Pesca. A praia de Peroba tem como principal atividade econômica a pesca da lagosta.

Com o G.P.S os pescadores passam a contar com um método preciso para a prática a captura da lagosta feita pela grande maioria dos pescadores daquela praia de forma estimada, ou seja, com a utilização do método de navegação astronômica, tendo como guia a posição do sol, da lua e das estrelas. “Acho importante por que fica mais fácil a pessoa se guiar no mar”, reconheceu Raimundo José Viana, de 29 anos, adiantando que os manzuás (gaiolas) ficam até 6 dias em alto mar.
Já no primeiro contato com o equipamento eletrônico, o pescador Francisco Raimundo da Silva, de 32 anos, compreendeu a importância da utilização do G.P.S. “O aparelho vai nos orientar a encontrar o local exato aonde deixamos o material para capturar as lagostas”, disse, adiantando que pretende em muito breve comprar um equipamento.

Para a grande maioria dos pescadores de Peroba o equipamento não é novidade, porém poucos haviam tido a oportunidade de manipular um G.P.S. O primeiro contato aconteceu com os estudantes da disciplina Navegação II, ministrada pelo professor da UFERSA, Marcelo Augusto. “Estamos aqui para somar conhecimentos para melhorar a atividade dos pescadores”, justifica o professor.
No primeiro contato, os estudantes da Universidade do Semi-Árido apresentaram para os pescadores o aparelho eletrônico explicando suas vantagens e como funciona o G.P.S. “É um instrumento de navegação que dinamiza a pescaria e aumenta a segurança no mar”, explicou o acadêmico Paulo Victor, do 9° período de Engenharia de Pesca.

A reunião contou a participação de 20 pescadores que após receberem as informações teóricas foram conferir na prática o funcionamento do aparelho. “Muito bom. É uma forma de nós pescadores conhecer as facilidades que o G.P.S oferece”, opinou o pescador Jussier Bezerra da Cruz, de 18 anos.
A estudante de Engenharia de Pesca Itála Alves acredita que a formação do profissional não deva se restringir apenas a sala de aula. “O que confirma o nosso aprendizado é passar as informações apreendidas. Foi o que aconteceu aqui, facilitamos para que os pescadores consigam dinamizar o processo de exploração com um aumento da sua produtividade”, explicou.

A ideia, informou o professor Marcelo Augusto, é que esses pescadores se tornem multiplicadores das informações. “Estamos preparando um manual com linguagem adaptada a realidade local como forma de facilitar o entendimento dos pescadores”, adiantou a estudante Larissa Mendonça, do 8° período.
A atividade na praia cearense faz parte do curso de extensão Operações Básicas em G.P.S. - Práticas de Uso de Aparelhos Portáteis, desenvolvido pelo curso de Engenharia de Pesca e a Pró-Reitoria de Extensão e Cultura da UFERSA. Para os estudantes de Engenharia de Pesca levar um novo conhecimento para os pescadores tem sido uma experiência gratificante. “São profissionais que até então só contava com a navegação visual, mas com o uso do G.P.S vão passar a realizar um trabalho preciso e muito mais seguro”, opinou Daniel Barreto, do 9° período.

Um comentário:

Julio Cesar disse...

Acho interessante a inciativa, mas devo ressaltar que estas medidas apenas aumentarão a pressão sobre os sistemas naturais que já se encontram em seu limite. Estima-se que em pouco tempo não haverão mais especies de interesse comercial na natureza. A palavra agora é "sustentabilidade".