sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Artigo: Bíblia: Mito ou Verdade?

Escrito por Wellington Pinto
Professor
 
Muitas vezes me deparo com falsos profetas interpretando a bíblia como se fosse algo fácil de fazer. Imagine um médico operar um cardíaco sem nunca ter estudado medicina. Assim vejo a religião, se “convertem” da noite pra o dia; no dia seguinte já estão nas praças e igrejas berrando para os ouvintes menos informados como se fossem doutores da lei. A religião é uma poderosa ideologia, se não for bem compreendida pode se tornar um horror. Veja as cruzadas patrocinadas pela igreja católica na retomada da Terra Santa, perseguição aos judeus pela própria igreja católica na 2ª guerra mundial; na América latina perseguição aos teólogos que defendiam a teologia da libertação. O teólogo Leonardo Boff é um caso  de perseguição no século XX pelo Vaticano,  na pessoa do atual papa Bento XVI (Joseph Ratzinger), antes de ser papa presidiu a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF) (Congregatio pro Doctrina Fidei), no passado correspondia a Suprema e Sacra Congregação da Inquisição Universal que levou muitos inocentes a fogueira.
 
Antes de a bíblia ser escrita, a tradição era oral, passavam de pai para filho as histórias bíblicas, imagine estas histórias sendo contadas oralmente, muitas coisa se acrescentava ou tirava no calor da emoção, ou até pela memória que é falha. Quem conhece a dinâmica do telefone sem fio entende bem o que narro agora. Muitos mitos foram incorporados aos relatos bíblicos e diga de passagem dos povos politeístas; um para exemplificar, a Epopéia de Gilgamesh: o relato do dilúvio. Se compararmos o relato bíblico do Gênesis com a Epopéia, veremos que ambos os relatos contém muitas semelhanças, uma marcante:
 
“A deusa então concebeu em sua mente uma imagem cuja essência era a mesma de Anu, o deus do firmamento. Ela mergulhou as mãos na água e tomou um pedaço de barro; ela o deixou cair na selva, e assim foi criado o nobre Enkidu”. (SANDARS, 1992, p. 94).
 
“Façamos o homem à nossa imagem, conforme a nossa semelhança”. (GENESIS, cap. 1, ver. 26).
“Então formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra, e lhe soprou nas narinas o fôlego de vida, e o homem passou a ser alma vivente”. (GENESIS, cap. 2, ver. 7).

São tantas passagens semelhantes que no momento fugiria do propósito do texto. O Antigo Testamento é cheio de contradições de datas, de locais, personagens; passagens que se contradizem. No entanto muitos fervorosos pegam os textos ao pé da letra e interpreta livremente, achando que tudo que foi colocado ali é verdade. É muita ingenuidade, por conta dessas interpretações livres muitas gente matou em nome da fé.
 
Os hebreus sentiram a necessidade de escrever os livros bíblicos no reinado de Davi, vale salientar que foram muitas as tradições que foram incorporadas aos escritos, a Javista(J) por tratar Deus de Javé, a Eloista (E) por tratar Deus de Eloi, tradições do norte e do sul. Além dessas havia outras tradições, Deuteronômica(D), Sacerdotal(P). Essas tradições foram compiladas entre si, dando origem ao Pentateuco. 
 
A Bíblia ao longo do tempo sofreu tantas traduções que muitos erros foram cometidos; São Jerônimo que foi incumbido de traduzir a Bíblia para o latim cometeu um deslize de tradução, nimo que foi incubido de traduzir a b chegou a dizer que o profeta Moisés tinha chifres (uma confusão com a palavra hebraica karan, que na verdade significa “raio de luz”). Tem um pensamento que se encaixa bem aqui: “todo tradutor é um traidor”. O livro do Gênesis é o primeiro livro da Bíblia, isso não significa que seja o mais antigo, o mais antigo talvez seja o livro de Jó, há controversas. Provavelmente, a mais antiga parte escrita da Bíblia é o Cântico de Débora, que se encontra no livro dos Juízes (Jz, 5). A Bíblia não é um só livro, são muitos livros, diversos autores, até desconhecidos; na época se escrevia um livro e punha o nome da pessoa importante da comunidade, e o livro foi tomando forma a partir do Concílio de Nicéia, século IV, que tinha como tarefa organizar o “cânon”, lista dos livros sagrados, formato atual da Bíblia.

Finalmente diria a esses neófitos da fé, que para se pregar é preciso estudar, de preferência teologia, diria também que religião não é comércio como muitas igrejas fazem para angariar dinheiro dos mais simples e necessitados, que se agarra à religião como tábua de salvação. 
 

3 comentários:

Wallyson Honorato disse...

Concordo que muitos tem se precipitado em vim com profetadas mundo a fora, em nossa cidade isto é bem conhecido, mas comparar a Bíblia a qualquer outro livro? Bem, é seu ponto de vista. Ela foi sim escrita por vários homens, mas cremos na inspiração e sabemos que DEUS sempre cuidou para que erros fossem detectados e corrigidos (concílios houveram para isso, ou esperam que o próprio DEUS viesse para fazer isto? Os homens já estavam capacitados para isso), há quem goste da possível falha e contradições bíblicas e em seus textos sempre ficou bem claro que homens a escreveu, mas não por conta ou domínio próprio, é uma questão de fé e isso não se pesa, analisar ou leva para um laboratório para sua prova digamos... palpável. Não é fanatismo, mas FÉ.
Qual o livro mais antigo ou mais novo não pode nem deve significar controversa e/ou erro. Brigo também contra os que utilizam a Palavra para beneficio próprio, para enganar, causar intrigas e debates que em nada edifica alguém.
Reafirmo que concordo que há muitos por ai que saem com suas profetadas que enaltece os que já têm um superego e que humilham os que deveriam ser compreendidos e acolhidos, odeio a teologia da descriminação que há, e em muitas vezes imperam em templos que homens que se sentem o próprio senhor e o Senhor é seu servo, falando o que muitos gostam de ouvir para juntar seguidores para si mesmo, outros fazem seus títulos que até são bonitos de ler, pois fala de DEUS, parece com a Bíblia, fala a mesma coisa, mas infelizmente não é a mesma coisa.

“Pois vai chegar o tempo em que as pessoas não vão dar atenção ao verdadeiro ensinamento, mas seguirão os seus próprios desejos. E arranjarão para si mesmas uma porção de mestres, que vão dizer a elas o que elas querem ouvir.
Essas pessoas deixarão de ouvir a verdade para dar atenção às lendas.”( II Tm 4:3-4 )carta escrita por Paulo(inspirado por DEUS) ao servo Timoteo sobre o que viria de se enfrentar pela fé,pois sem fé ninguem passaria por isso que se passa até hoje.

Para mim a Bíblia é Verdade.
Respeito sua opinião, não concordo no comparar a Bíblia a outro livro que a imita, que tenta distorcê-la, mas respeito sua OPINIÃO.
DEUS seja com você.
Abraço!

Professor Wellington Pinto disse...

Muito bom seu comentário, é uma pena que muitos que fazem comentários ou postam seus artigos se preocupam mais com política partidária, todos querendo chegar ao poder, não sabem que o poder é efêmero?

Emilio Konrath - Catamaram Mås disse...

Não quero discutir a fé nem nada, mas o professor Wellington não comparou a bíblia com outro livro que a imita, mas sim com outro livro muito mais antigo que ela.