terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Praia da Barrinha: homens e mulheres tentam conter o avanço do mar

Moradores da Praia de Barrinha arregaçaram as mangas, encheram sacos com areia, fizeram um mutirão e improvisaram uma barreira para tentar conter o avanço da maré, que há tempos ameaça a comunidade.
Todo ano, durante o mês de janeiro, acontece os mesmo ritual da maré. Historicamente, nesse período, as ondas crescem e ganham força avançando sobre a faixa de praia na maioria das cidades litorâneas. Isso é um fenômeno tido como natural. Os estragos causados pelo avanço do mar se deve mais a ocupação irregular dessas áreas. No caso da Praia da Barrinha, esses estragos foram anunciados lentamente pela própria maré. Há alguns anos, o mar vem avançando lentamente na comunidade. A faixa de praia foi aos poucos sendo tomada pelas águas salgadas, e a população só veio perceber a ameaça quando o mar já estava próximo demais. Daí, deu-se início a uma mobilização da comunidade junto ao poder público para construção de um muro de contenção da maré. Algumas ações foram acordadas entre a comunidade, a Defesa Civil, Corpo de Bombeiros e o poder público, representado pelo vereador Lacerda Filho e o deputado José Airton, em reunião realizada na comunidade na sexta-feira passada (14/01)(veja matéria clicando aqui). Entre as ações, estão a construção do muro de contenção e de casas populares (veja matéria clicando aqui). 

Enquanto as obras não vêm, os próprios moradores (homens, mulheres e crianças) fizeram um mutirão na tarde de hoje para preencher a cratera criada pelas ondas, que ameaça "engolir" a escola. O muro dessa mesma escola foi parcialmente derrubado na semana passada pelas ondas. Os moradores correm contra o tempo, já que as próximas ondas tendem a crescer e alcançar até 3,7 metros, com está previsto. A população encheu sacos com areia, trazida por uma caçamba da Prefeitura, e jogavam dentro do enorme buraco ao lado da escola. Além disso, aproveitaram algumas pedras soltas, que foram colocadas em outras tentativas de conter as ondas, mas que não deram conta do recado. No entanto, a quantidade de sacos de areia não foi suficiente, sendo colocados apenas ao redor da cratera para amortizar o impacto das ondas. 

O vereador Lacerda Filho falou hoje no programa "Show da 102" da FM Educativa de Icapuí, que estava em Fortaleza junto com técnicos da Defesa Civil articulando as ações que foram acordadas na reunião com a comunidade. Agora a tarde, fui informado que tinha sido enviado para Icapuí mais 20 mil sacos, pedras e técnicos da Defesa Civil para auxiliar a população na construção das barreiras de contenção. Todo esse material e o pessoal chegarão ainda hoje a noite. 

A medida inicial, de caráter emergencial, adotada pela Defesa Civil, visa apenas ganhar tempo até que o muro de contenção definitivo seja construído. A colocação dessas barreiras improvisadas é uma solução paliativa e tem efeito apenas temporário. Todos as barreiras colocadas pelos moradores, ou pela prefeitura, não foram capazes de conter a força do mar. Essas estruturas ficaram fragilizadas com as últimas marés e podem não resistir caso a previsão das ondas de 3,7 metros esteja correta.
Para driblar o difícil acesso dos moradores, na maioria pescadores, à praia, foi construída uma pequena passarela que faz a ligação da rua principal a área do porto. No entanto, essa estrutura de madeira também corre o risco de desabar, já que fica bem próxima ao muro da escola ameaçada.

Fotos e texto por Claudimar Silva

Um comentário:

lourdes maria disse...

esses acontecimentos na praia da barrinha o poder publico municipal junto com a comunidade ja deveriam ter resolvido e naum ter deixado pra cima da hora pois as marés ja estam xegendo e naum vai da tempo de resolver tudo espero que esses sacos de arias derem certo e minimizem a cituaçao desse povo