sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Apagão em várias cidades do Nordeste atinge Icapuí


No final da noite da quinta-feira (3/1), uma repentina e inexplicável falta de energia elétrica pegou de surpresa algumas pessoas de Icapuí. O fato parecia corriqueiro, cria eu que o problema fosse restrito a minha rua, ou no máximo ao meu bairro. Porém, logo após o ocorrido, fui informado que várias outras comunidades do município também estavam às escuras. Como dizemos aqui, tinha sido "geral".

A surpresa maior veio quando a energia retornou por volta de uma hora da sexta-feira (4/2). Através do Twiiter, e dos principais portais de notícias do país, fiquei sabendo que tratava-se de um "apagão" em diversas cidades do Nordeste, e que muitas delas ainda se encontravam sem eletricidade. Inclusive, capitais como Fortaleza e Salvador sofriam com a falta de energia, sendo que nesta última, foi necessário cancelar shows do Festival de Verão que acontecia no exato momento do apagão. 

Veja matéria do portal R7.com:

04.02.2011 à 01h33
Apagão atinge várias cidades do Nordeste
Um blecaute atingiu, na noite desta quinta-feira (3), várias cidades no Nordeste do país. Até a 1h desta sexta (3), as causas do problema ainda não haviam sido determinadas.

As primeiras informações indicam que, provavelmente, uma linha de transmissão da Chesf (Companhia Hidrelétrica do São Francisco) entre Sobradinho (BA) e Petrolândia (PE) saiu de operação, causando problemas no fornecimento de energia no Nordeste. Três usinas teriam saído de operação: Xingó, Paulo Afonso e Luís Gonzaga.

Há cidades sem luz em Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Rio Grande do Norte, Sergipe, Paraíba, Pernambuco e Piauí. Ainda não há previsão para a volta da luz nestes locais.

(...)

3 comentários:

Felipe Freitas disse...

Se nosso estado fosse autosuficiente em energia, como será até julho de 2014 com energia eólica, tal fato não teria acontecido. No entanto, algumas pessoas ainda são contra o desenvolvimento...

ClaudiMar Silva disse...

Felipe,

A questão da energia eólica esbarra no conceito de "desenvolvimento sustentável". Ser autosuficiente em energia, sem dúvida, representa um grande salto no desenvolvimento de qualquer região, porém, é necessário avaliar se os impactos ambientais e o retorno para as comunidades onde são "plantadas" as torres compensam tal investimento.

Sabemos que esse tipo de energia, em uma primeira análise, gera lucros somente para os donos da operadora de energia e para os donos dos terrenos, que receberão royalties. As consequências ambientais ainda não são totalmente conhecidas, pq só se sabe exatamente qual impacto isso causa, quando se instala de fato.

Mas, visualmente falando, usinas eólicas desconfiguram completamente o aspecto natural dos locais onde são instaladas. Icapuí, com seu enorme potencial turístico proporcionado pelas belezas naturais, pode gerar o desinteresse dos que buscam paisagens tocadas o mínimo possível pela ação humana.

É uma via de mão dupla!!!
Reflita!

Felipe Freitas disse...

Claudimar, é justamente no desenvolvimento sustentável que estou pensando, ou preferes queimar petróleo pra gerar energia?! Acho que não... A energia eólica gera grandes impactos sim, como toda obra de engenharia para gerar energia, porém, é a fonte de energia mais limpa de que dispomos no momento. Hoje, em pleno século XXI, o que não gera impacto? Andar de carro ou moto gera CO2, fazer compras num mercantil precisa-se de uma sacola de plástico que o destino é o lixão, assistir televisão, escutar som, deixar as luzes ligadas em casa, tudo isso gera impacto, pois é necessário que uma usina esteja operando para suprir nosso consumo. Todos nós consumimos água e comida, que são os dois maiores bens de consumo do planeta, o terceiro, hoje, é a eletricidade. Os lucros altos são sim dos grandes investidores e dos donos de terras, mas, e a mão-de-obra?! Uma vez me disseram que não gerava empregos porque uma usina eólica funcionava sozinha... Os salários do ramo da eólica são muito mais vantajosos do que em muitas empresas, do que na própria Petrobras, sem contar as inúmeras vantagens. Icapuí, junto com Touros - RN, tem o maior potencial eólico do Brasil, com ventos muita acima da média nacional. Você falou do problema paisagístico, vale salientar que nenhum dos parques instalados em Icapuí está em rotas turísticas, nenhum sequer é frequentado por pessoas, todos são distantes dos famosos "centros turísticos". Sem contar que isso de desinteresse não cola mais, pelo contrário, nas usinas do estado pessoas estão indo até visitar em excursões. O grande problema é a falta de informação, por ser uma área nova e por falta de interesse. Poluir tudo polui, a diferença é que temos que poluir menos.