quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Artigo: Entre inteligência e mediocridade

Escrito por Clotenir D. Rabelo
Mestre em Educação
Acho muito estimulante quando se escreve com motes claros. De modo geral, a palavra flui com nascente de rio. Desta feita, ocorridos pessoais e o debate acerca do papel dos vereadores instigado por artigo recém publicado neste blog e suas defesas pró e contra são o estímulo a essa reflexão que acrescento às demais a título de contribuição.
Quando a algum tempo uma grande amiga me dizia que o melhor caminho que encontrou para seu crescimento humano e profissional foi trazer para perto de si seus opositores e críticos e alimentar-se das suas inquirições achei de um extremo absurdo e mau gosto. Na trajetória fui aos poucos percebendo a dimensão da sabedoria que essa atitude carregava, portadora de futuro que se mostrou tal estratégia. Uma demonstração de inteligência que gestores e demais profissionais, em especial nos setores públicos, poderiam se apropriar.
De fato, a crítica e oposição, sejam dotadas de elementos construtores ou não, revelam-se insubstituíveis na sua capacidade de projetar novas atitudes, de alavancar inquietações, de desinstalar comodidades. Estou convencido de que não há nada melhor em nossos caminhos que bons e maus opositores, sejam com críticas inteligentes ou medíocres, respectivamente. Apesar das dores, bom mesmo é ter alguém sempre nos “tirando do sério”. O maior problema mesmo é saber acolher bem a oposição/crítica e isso, de modo geral, oscila também entre a inteligência e a mediocridade.
O contrário dessa postura “acolhedora” da oposição é o que se instala em nossas experiências, e, diga-se de passagem, em muitas situações em nossa cidade nos tempos atuais. Por vezes, rechaçamos, eliminamos, viramos as costas aos nossos opositores/críticos. A reversão dessa lógica não é fácil, porque muitas críticas inteligentes ou medíocres são assimiladas na maior parte das ocasiões com pouca inteligência e muita mediocridade por quem recebe. Freqüentemente muitas posições e oposições de artigos e comentários no blog acidadeicapuí padecem pela mediocridade com que são acolhido(a)s. Carecem de inteligência na sua recepção e tratamento. Presencia-se ocasiões em que críticas portadoras de grandes projetos e indicações de melhores caminhos para uma determinada atividade são traduzidas em medíocres intrigas e “disse-me-disse”.
Pessoas inteligentes sobrepõem-se à mediocridade da interpretação maldosa e alimentam-se desse manar reflexivo que as oposições trazem em sua essência, bem ao modo da água deliciosa que o coco oferece por baixo da casca e da bucha. Isso é tão verdade que alguns opositores muitas vezes preferem esquivar-se de fazer críticas porque acreditam estar apontando soluções e deixam seus adversários afundar sozinhos em suas comodidades, e por que não dizer, mediocridades. 
Deste modo, é inteligente perscrutar a profundidade das críticas/oposições e evidenciar as possibilidades de crescimento que elas trazem como sabiamente dizia minha amiga. Tudo isso para dizer que, no episódio atual da Câmara Municipal e nos anteriores relativos a setores públicos, entidade e instituições locais por meio de postagens no blog talvez mais promissor seja alimentar-se dessas reflexões para avançar, ainda que nos parecem injustas e dolorosas. Em tese, o melhor caminho é reagir sabiamente, com inteligência, traçando uma perspectiva avaliativa, inquietando-se e desinstalando-se por força das oposições que nos chegam. Na prática tal postura é difícil, mas sem dúvida é a mais saudável para todos.

4 comentários:

Prof. Mauro disse...

Muito bom o texto. Acredito que esse é o caminho mais correto, apesar de ser mais doloroso, este, pode trazer grandes feitos. Está mais do que na hora de deixarmos de lado os problemas entre as diversas posturas e avaliar nossas ações para assim conseguirmos nossos objetivos.

Professor Wellington Pinto disse...

Não é fácil fazer críticas em Icapuí, ao longo destes 23 anos tenho falado e muito, as vezes exagerado. O preço a pagar é o anonimato dos que não aceitam as críticas e te jogam na reserva, sem nunca te chamar para o time principal. Nas escolas tem muito disso, falou muito gelo nele.

procad disse...

Parabéns pela reflexão exemplar Clotenir. Demonstra sabedoria. [José Marcelo]

Anderson disse...

Às vezes entrar neste site, a cada diz me faz crer que ainda existem pessoas que nos fazem crescer sem que nós percebamos a grande eficácia de suas palavras. Parabéns Clotenir!!