quarta-feira, 9 de março de 2011

Artigo: Marcha Icapuí! 2012?

Escrito por Jerônimo Reis
Vereador-PT

Toda vez que ouço a palavra “marcha”, colocada em qualquer contexto, me vem logo na cabeça, um movimento popular articulado e voltado sempre em defesa de alguma causa social, e, na realidade geralmente é isso mesmo. Basta olharmos a história e veremos que foi assim na Argentina, quando as mães da Praça de Maio, fizeram a Marcha da Resistência, em que se reuniram por 1500 quintas-feiras consecutivas, marchando durante 24 horas ao redor da Pirâmide de Maio, em frente à sede do Governo Argentino, pedindo justiça pelos crimes cometidos pela Ditadura Militar daquele país. Outra famosa foi a Marcha do Sal, liderada por Gandhi em 1930 na Índia, que durante 25 dias percorreu cerca de 400 km em busca de sal, protestando contra as leis impostas pelos Britânicos ao povo daquele país. Aqui no Brasil, ocorreram e ainda ocorrem algumas marchas simbólicas; como a Marcha das Margaridas, onde as mulheres brasileiras protestam principalmente contra a violência sexista; outra também conhecida foi a “Marcha da Família com Deus para Liberdade”, durante o governo João Goulart, que ao tentar implantar as reformas de base, se viu pressionado por setores conservadores, da época como: OAB, CNBB e parte da imprensa como o jornal O Estado de São Paulo, sendo uma marcha fora dos padrões, já que surgiu da elite e não das classes menos favorecidas.

Você deve estar se questionando, o que tem a ver essas marchas com a nossa Icapuí? Esses movimentos em si, talvez nada ou muito pouco, mas o sentido de articulação, de objetivos comuns, de defesa dos interesses coletivos, isso sim, tem tudo a ver, nem sempre neste mesmo sentido, muita das vezes até, inversamente. Agora mesmo estamos passando por um período, onde vemos de um lado um completo descaso com as marchas populares, onde parte da nossa sociedade acomodou-se com todo tipo de imposição que lhe é imposta, e, numa outra parte, alguns políticos já arregimentam seus soldados numa marcha rumo às eleições de 2012. Quando me refiro a essa quietude de uma parte da sociedade, pode alguém até me questionar se os tantos artigos e notícias que a nossa “imprensa” divulga, cobrando das autoridades, principalmente dos vereadores do município, não é uma forma de inquietude? Digo que sim, mas é preciso muito mais. É preciso, por exemplo, que nas vezes em que algum vereador tenta cumprir seu papel, seja de formador de leis ou de fiscalizador, haja um envolvimento da sociedade a seu favor, afinal ele está ali como um mero representante desta, portanto é necessário que haja uma união de forças para a melhoria do município, e, conseqüentemente da vida dos que nele habitam. Cito o caso da CPI do Icaprev, onde em nenhum momento, nós que fazíamos aquela comissão, nos sentimos apoiado por nenhum seguimento da nossa sociedade, parecia até o contrário, que nós é que éramos os réus e não os fiscalizadores. Reconheço que cometemos falhas, mas às vezes questiono, será que muitos dos que cobram mais eficiência do Legislativo Municipal, não estavam carregando o prefeito nos ombros no dia da sessão da referida CPI? Onde estavam as entidades que pregam justiça social no nosso município, que não encabeçaram uma marcha de apoio aquela CPI? Onde estão as entidades que defendem os pescadores que não se manifestam contra as “vendas de vagas” para o seguro defeso? E o que é pior, quando nos manifestamos, enquanto vereador, para fazer uma investigação, não encontramos nenhum pescador que se proponha a assumir uma denuncia. Não me recordo de ter visto nenhuma manifestação pressionando o Judiciário, no sentido de agilizar o julgamento de denúncias levantado por parte do Legislativo, como a CPI do ICAPREV, o caso dos cheques descontados na “boca do caixa” pelo Executivo Municipal, o numero excessivo de contratados, as carteiras escolares superfaturadas e não entregues, entre tantos. Não quero com isso dizer que a Câmara de Icapuí cumpre seu papel na totalidade, mas não podemos jogar nos cestos da inoperância ou da conivência, todos os vereadores.
Enquanto isso, estamos observando, um desfile de munícipes em “marcha acelerada” buscando se credenciar ao cargo de prefeito em 2012 e me chama a atenção, como mais uma vez esse processo se desenha. Temos de um lado a situação que novamente tudo fará para dar sequência ao seu projeto de governo familiar, não importando se neste momento alguns membros estejam se engalfinhando para ser o carro chefe na condução deste. Sabemos que no apagar das luzes, dos prazos decisivos, se unirão em bloco fechado, na defesa de um projeto, que tanto tem se mostrado iníquo. Por outras bandas, a oposição, da qual faço parte, não está ainda conseguindo construir um projeto discutido com as bases e com os setores representativos da sociedade. Vemos alguns “companheiros” atuando único e exclusivamente na defesa de um projeto pessoal, onde o que importa é buscar “soldados” sem nenhum critério ou escrúpulo, que venha defender o “seu projeto”. Esquecendo até alguns fundamentos básicos em um projeto socialista, que é a transparência, participação e inclusão, não só da sociedade como também dos partidos políticos, e fazem talvez por jamais terem exercitado na prática ou nem ao menos saber o que seja isso. A grande verdade é que poucos são os que buscam ao menos discutir essa construção, o que ouvimos e vemos constantemente são discussões em torno de “nomes” e jamais em busca de construir ou mesmo aperfeiçoar “algum” projeto político-administrativo para nosso município. Tudo isso só faz, cada vez mais, fortalecer a maneira tão injusta de se fazer política no nosso Icapuí, onde os nossos “chefões” ficarão dia a dia mais senhores de seus currais eleitorais e o nosso povo jamais passará de ser um “BICUDO” ou um “BACURAL”. Acredito que cada um de nós, independente de cor, credo, partido ou setor de atuação, temos de MARCHAR urgentemente, no mínimo rumo a uma PARALIZAÇÃO; PARAR para PENSAR, DISCUTIR e REFLETIR, qual o Icapuí que queremos construir? Drummond escreveu: “É tempo de partidos, é tempo de homens partidos”. Imbuídos desse pensamento deveremos estar preparados para a verdadeira marcha que teremos, rumo a Icapuí que sonhamos e tanto queremos construir. Só espero que ela possa ser mais justa, humana e de todos.

Fonte: blog do Vereador Jerônimo Reis

2 comentários:

Digital disse...

Olá, blogueiro(a)!
Dia 30 de janeiro foi Dia Mundial de Luta contra a Hanseníase. Se antes a doença assustava portadores e suas famílias, hoje ela tem tratamento e cura!
Seja nosso parceiro e utilize seu espaço para divulgar informações sobre a doença. Se tiver interesse em colocar o selo da campanha em seu blog, entre em contato com comunicação@saude.gov.br.
Para saber mais sobre hanseníase, acesse: http://bit.ly/dZFocW
Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude
Obrigado,
Ministério da Saúde

Professor Wellington Pinto disse...

Seria interessante o Brasil experiementar essa onda de contestação que acontece nos países árabes e africanos(Egito), onde o povo procura derrubar esses governos totalitários e corruptos.O que virá depois da onda é uma grande incógnita para os estudiosos, sabemos que o efeito dominó se espalha como pólvora.Seria interessante Icapuí experimentar um pouco desse "calor revolucionário" e contestar o que tem afligido seu povo.Icapuí tem história de luta, no momento vejo um povo acomodado e amordaçado...,o que falta ao povo de Icapuí para se rebelar contra a negação dos direitos vitais, no caso à vida?