domingo, 29 de maio de 2011

Vereador Jerônimo Reis: Mamãe não quero ser prefeito

Retirado do blog do vereador Jerônimo Reis (PT)

29.05.2011
Mamãe não quero ser prefeito...

Quem não se lembra dessa música do saudoso Raul Seixas que entre tantas citações verdadeiras em determinado trecho diz: "mentir sozinho eu sou capaz...”, pois eu vos digo que mesmo sendo político e sendo pré candidato do pt a esse cargo, diante de algumas situações que ora se desenha neste setor da sociedade, eu afirmo que!

Não quero ser prefeito, somente para atender os anseios da minha família e quando ganhar fatiar a administração em quinhões para agradar meus parentes, fazendo da prefeitura um meio de sobrevivência desses e com o pensamento de só ser capaz de me suceder um desses "abnegados" consangüíneos.

Não quero ser prefeito, porque simplesmente tenho uma condição financeira favorável e o meu dinheiro, por si só, me capacita a ser um excelente gestor, além de me levar à prepotência de achar que cada habitante desse lugar tenha seu valor escrito na testa em forma de cifrão, esquecendo que no meu município também existe pessoas de bem, de caráter, honestos que são capazes de se doar por inteiro na construção de um "projeto" que traga uma vida mais digna para seus conterrâneos.

Não quero ser prefeito, para pegar os recursos que são destinados a efetivação das políticas públicas como: saúde, educação, saneamento, combate a exploração sexual infantil, combate ao trabalho infantil, apoio as pessoas idosas, entre tantos, e sair distribuindo a meu bel-prazer para quem eu achar que mereça, sem nenhum critério, alimentando a política perversa do assistencialismo que só faz cada vez mais, deixar o povo viciado na maneira mais fácil de resolver um problema momentâneo, e, com o interesse maior de mantê-los cativos a minha pessoa.

Não quero ser prefeito para fazer de nossa cidade palco de discórdia, onde a população seja tratada de maneira distinta ou por pseudônimos chulos, mais sim para efetivar políticas públicas para que a população local possa efetivamente se sentir numa feliz cidade, como há alguns anos ocorria.

Não quero que, para eu ser prefeito, ao invés de construir um projeto político-partidário, discutido de maneira transparente, e, com a participação, no mínimo, das instituições representativas de nossa sociedade, dos grêmios estudantis, das associações de classes e de moradores e de todos partidos políticos alinhados eu tenha que ser patrocinado ou apadrinhado por "alguém" para depois ter que satisfazer seus caprichos e vontades, e, ficar em meu gabinete servindo apenas de marionete para "um" ou "uns". Finalmente, fica difícil de acreditar que, da maneira como ainda se conduz a política do nosso Icapuí, qualquer cidadão idôneo chegue a ocupar este cargo e que se for preciso se incluir em qualquer uma dessas práticas citadas acima, não tenho dúvidas... "Eu não quero ser prefeito...alguém pode querer me assassinar".

2 comentários:

Prof. Mauro disse...

Muito bom saber que existem pessoas que ainda pensam no bem público. Espero que nas eleições que se aproximam nossa cidade possa contar com candidatos mais compromissados com o bem comum de nosso povo.
Parabéns pelo texto vereador, ele de fato ressalta sua postura séria, educada, consciente a acima de tudo honesta sobre o que de fato ocorre no mundo obscuro da política icapuiense, cearense e brasileira.

Jose Jadson disse...

O texto de certa maneira aponta quase de forma direta a atual forma e caminho politico/administrativo que nossa cidade tomou nos ultimos anos. se conseguirmos alguem que sustente dos esses principios teremos entao encontrado o canditado ideal.