quinta-feira, 1 de setembro de 2011

Artigo: Efeito dominó na "classe"política

Escrito por Wellington Pinto
Professor
Os políticos fazem dos seus eleitores verdadeiros palhaços, não querem limpar da política à corrupção, o corporativismo acima da ética, é Brazil da impunidade.
Jaqueline Roriz foi pego com a mão na botija e alega ser inocente, os telespectadores viram ela e o marido recebendo propina e diz injustiçada pela mídia, “que destrói a honra de qualquer um”, e criticou o procurador-geral da República Roberto Gurgel por ter aberto uma ação penal, é vergonhoso as atitudes da “classe” política brasileira, com raras exceções. O que seria de nós simples mortais se não fosse à mídia investigativa e os magistrados éticos que primam pela justiça nesse país, que arriscam a própria vida para apurar corrupção nas diversas esferas do poder, in memorian, Patrícia Lourival Acioli, juíza assassinada no Rio.
Essa impunidade é vista pelos olhares mais atentos, entende-se blindagem política, muito usado hoje no governo do PT, se forem punir os políticos por corrupção restarão poucos para contar a história do poder, cairia um a um, pelo efeito dominó. 
Os sanguessugas foram absolvidos e hoje não fala mais disso, “um povo sem história é um povo sem memória”, acontece um fato hoje, amanhã já é esquecido em detrimento de clássicos do futebol. Nunca se roubou tanto no país, nem na época do 'Descobrimento'. Penso que estes julgamentos deveriam ser realizados pela Justiça ou pelo Ministério Público. Do jeito que a coisa vai, sempre serão absolvidos. Estes julgamentos acabam virando 'ação entre amigos', traduzindo, corporativismo exacerbado.
O mensalão ou compra de votos dos parlamentares aconteceu na gestão do Lula, 2005/2006, vale ressaltar que essa prática se estende desde a proclamação da República. A compra de deputados para facilitar a vida do governo na Câmara dos deputados, sem oposição, sem turbulências políticas. As CPIs puniram apenas três deputados e nove foram absolvidos
Nas cidades se chama de mensalinho, onde o prefeito compra os vereadores para governar com tranqüilidade, aprovar seus projetos e sem oposição, fazendo valer seus interesses pessoais, montado no erário.
O exemplo mais palpável do corporativismo e da impunidade foi a dancinha da deputada Ângela Moraes Guadagnin, atualmente vereadora de São José dos Campos, continua na vida política. A deputada ficou conhecida nacionalmente pela “Dança da Pizza”, dançou freneticamente pela absolvição do colega João Magno.
A grande diferença de Dilma para o governo de Lula é que Dilma procura fazer uma “faxina”, não suporta corrupção no seu governo e isso é muito salutar, enquanto Lula blindava o governo e deixava a coisa correr frouxa, em alguns momentos acalentava os denunciados na defesa dos mesmos. A posição da Dilma é muito forte contra a corrupção, elogiada por sua atitude nos principais jornais do mundo. Porém não acredito que ele vá segurar a peteca por muito tempo, os cupins infestaram o Congresso, para acabar só tocando fogo nos cupinzeiros e isso parece uma missão impossível. Até seu partido o PT mandou frear a faxina para não perder os aliados, é o PT de hoje.   
No Ceará os banheiros fantasmas, o povão cagando a céu aberto e o Teozinho tem a coragem de se beneficiar do dinheiro público em benefício próprio, cara de pau de ir à tribuna na Assembléia Legislativa e dizer que tudo é um mal entendido e vítima, “Querem aproveitar o momento para me crucificar!”, e mais cara de pau os deputados que foram defendê-lo. O Téo Menezes continua sendo deputado, continua no PSDB e continua na Mesa Diretora da Casa Legislativa.
Toda essa impunidade no Brasil é altamente maléfica na cabeça do Cidadão, perde-se a esperança nos bons políticos e julgam que todos são iguais, tal pensamento beneficia os políticos desonestos, que nivelam todos a farinha do mesmo saco,  e na hora da escolha votam no quer der mais ou no escuro, e o pior, vota em branco, voto em branco só beneficia os políticos corruptos que se perpetua no poder através da compra de votos.

2 comentários:

ursula icapui disse...

Uns e outros vivem emitindo juízos severos contra os erros dos outros, pena que se esquece dos seus próprios erros. Para os outros o que predomina é a dureza e o rigor da lei, mas para ele só a misericórdia e o perdão. Assim fica fácil dar uma de bonzinho apontar e esquecer-se de se olhar no espelho. Quantas vezes agimos de má fé só por falta de uma autocritica.
Devemos sempre ter em mente que o dedo que aponta retorna para nós mesmos. E os que se acham os grandes escritores só por postar “grandes artigos” que qualquer um pode ver que é apenas para servir de autopromoção “Pois o importante é estar atacando alguém, assim estarei em evidencia”.
Acredito que se não tenho nada de bom pra falar é melhor me calar, e não distribuir insultos reavivar situações que já foram esclarecidas, apenas pra ficar bem na “fita” com todos. Porque dia mordo um e assopro o outro e vice-versa. Tenham pena dos meus olhos que por vezes são obrigados a ler as lamurias a falta de amor próprio só pra “caboquin” aparecer.
Sabe realmente o que é maléfico é ficar sem fazer nada o dia todo só distribuindo acusação e tentando se autopromover ai sim é ser maléfico.

ursula icapui disse...

Apenas ignore. Veneno só faz mal se você engolir.